Mega Man ZX3: Possível? Viável? Desejável?



     Mega Man ZX é o segundo dos dois grandes "elefantes na sala" de Mega Man. Tanto a série ZX quanto a série Legends não apenas nunca ganharam uma conclusão satisfatório como tiveram suas sagas interrompidas de maneira ao resultado final ser, além apenas incompleto,  frustrante. De um lado, temos um protagonista preso no espaço, no outro, temos uma série cheia de perguntas, com o real vilão se revelando para não termos um jogo em que seus atos se concretizem. Mas o caso de ZX chega a ser pior: além da série ter apenas dois jogos, sendo assim a mais curta de Mega Man, ela só durou praticamente dois anos e foi esquecida. Legends teve mais jogos e sempre seguiu viva de uma forma ou outra. Mesmo Legends 3 tendo sido cancelado, sempre há a esperança do jogo ser lançado algum dia. Mas e ZX? Ficará assim mesmo?

    Algumas coisas tem de ser ponderadas. A primeira é levar em conta quem fazia esses jogos. Mega Man ZX não é propriedade da Inti Creates, mas a empresa, com sua identidade única, marcou a série a ponto de que qualquer coisa destoante não se encaixaria. Desde Mega Man Zero a Inti Creates criou sua própria forma de fazer Mega Man. E ela não é como as séries Clássica e X, que dentro de suas identidades, consegue abarcar jogos com conceitos quase opostos. Hoje, a Inti Creates não apenas não trabalha mais com a Capcom como também tem seus próprios títulos derivados de Mega Man, com destaque para a série Azure Striker Gunvolt. Logo, deve ser difícil entrar em um acordo entre as partes.



     Isso não impede que um vindouro ZX3 seja feito. A própria Capcom poderia usar algum estúdio seu ou terceirizar a mão de obra para outro estúdio. Nada a impediria. Mas isso seria mesmo satisfatório? Não apenas não teríamos algo com a mesma identidade como não teríamos as mesmas respostas. Pensem bem. Mega Man ZX  e ZX Advent não são jogos apenas sobre dar tiros e pular em plataformas. São jogos sobre narrativas, sobre personagens e sobre um mundo. Não que a escrita da série seja algum Shakespeare ou que o universo seja digno de um Tolkien, mas é algo feito com capricho e carinho. Um jogo feito por outras mãos se não a de seus criadores não seria quase como oficializar algo que não pertence a essa narrativa? Ou a série é maior do que aqueles que a criaram, e o importante é amá-la e entendê-la a ponto de seguir em frente? É algo que me pergunto, mas não tenho respostas.

     O que podemos dizer de concreto é que Mega Man tem tido sucesso em sua empreitada de se revitalizar. As coletâneas vendem bem, Mega Man 11 é um sucesso (que poderia ser maior, mas esse é assunto para outro dia) e existem funcionários dentro da Capcom com "know-how" de como fazer Mega Man. Ou seja, impossível não é. Mas levando em conta os fatores acima, não é algo fácil de acontecer. Não atoa, ninguém da Capcom tem sequer falado sobre ZX. Sem contar que mesmo quando Mega Man ainda estava em "alta", os jogos dessa série não tiveram vendas satisfatórias. Logo, apesar de possível, é improvável.



     O mais triste disso é que ZX não apenas é algo bom e incompleto, mas é uma saga de grande potencial desperdiçado. Com elementos de Metroidvania, ela era o Mega Man contemporâneo por excelência. O DNA clássico da série está lá, mas a exploração, a narrativa mais densa e os elementos de RPG dão aos jogos dessa série um tempo de vida maior do que um Mega Man tradicional. Com isso, a série poderia não depender de lançamentos anuais para se manter em evidência e assim não gastar todo seu potencial em poucos anos. Se Mega Man 11 é o jogo que trouxe Mega Man de volta ao presente, ZX3 poderia levar a série ao futuro. Mas não resta muito mais do que torcer. Aparentemente, pelo menos um dos elefantes seguirá na sala.
Share on Google Plus
    Blogger Comment

0 Comentários:

Postar um comentário