Capcom, faça um jogo focado em Proto Man

‎Arte de Raphael Rodrigues

   A série clássica é, antes de qualquer coisa, a "série-base" da franquia Mega Man. Naturalmente, ela sempre acaba ganhando novos produtos, sejam eles títulos de sua linha principal, remakes, side-stories, HQs, etc. Porém, após Mega Man 10, se tornou complicado criar continuações diretas para a série. Dez é um número grande demais para se pensar em seguir com continuações a esmo, a equipe de Mega Man 9 e 10 já não está mais na Capcom, e mesmo o estilo gráfico do jogo - seja ele qual for - tem tudo para dividir o público. E qual a solução para tal dilema? Um reboot é uma alternativa válida, mas não a única possível. Justamente por sua atmosfera mais episódica e despreocupada, a série clássica pode se expandida quase infinitamente, desde que se respeite suas regras básicas e alguns detalhes do cânone. Isso abre espaço para vários títulos menores - mas não menos grandiosos - enriqueçam seu universo. É o caso da série "Rockman World" de Gameboy, que serve como universo expandido da série clássica e lhe adiciona tanto novos elementos de enredo quanto jogabilidade. Outra possibilidade seria, invés de simplesmente colocar Mega Man em várias side-stories, criar jogos focados em outros personagens. Mega Man & Bass quase vai nessa direção, mas por ainda ter Mega Man co-protagonizando, não é exatamente o que está sendo proposto aqui. A ideia seria justamente dar a outros personagens um jogo próprio, e dentro da série Clássica, é difícil encontrar um candidato mais adequado que Proto Man.

As Side-Stories de Mega Man se mostraram bastante rutíferas. 
Elas dariam certo com mais personagens em destaque? 
    
     Proto Man é uma figura interessante. Ele funciona como uma mistura na medida certa dos protagonistas relutantes de Shotaro Ishinomori com os anti-heróis mascarados e misteriosos - com destaque para Char Aznable - que permeiam a franquia Gundam. E essa mistura funcionou com uma harmonia incrível. Proto Man é um herói (mesmo que a Ruby-Spears tenha o retratado como um vilão), mas não um herói tão piegas como Mega Man. Mega Man é antes de tudo um protetor, que não necessariamente quer mudar o mundo ou algo do tipo.
Joe Shimamura e Char Aznable: dois personagens
que influenciaram Proto Man
O seu trabalho é proteger os inocentes para que esses construam o mundo que acharem certo. Proto Man não é tão simples. Ele é um indivíduo  que visa acima de tudo a sua liberdade e individualidade. Não que ele seja meramente um egoísta, mas ele não é do tipo que se submete aos caprichos alheios, mesmo que isso o isole de todos. Mais que isso, Proto Man é um questionador de sua condição de máquina, mas com certa consciência que o aproxima também de um humano. E se tudo isso não bastasse, há uma certo drama familiar por trás do personagem. Proto Man é o filho pródigo de Dr. Light, tantas vezes rivalizou com seu próprio irmão, mas que ao seu modo sempre tenta consertar as coisas. E no geral, ele consegue o que quer. Há várias possibilidades de explorar tais conceitos, mas o tom usual da série clássica nunca permitiu mais foco nesses aspectos. Em um jogo solo, isso não seria problema.

Adaptação em filme de Metropolis,
de OzamuTezuka
     Justamente por ser uma figura de espirito livre, um jogo mais voltado ao Metroidvania seria uma ótimo molde de jogo solo para ele. Explorando os lugares pouco vistos em 20XX e mostrando outras facetas não tão afáveis que aquele universo pode comportar. Metropolis  de Ozamu Tezuka (assim como sua versão em anime) da um bom norte para o que poderia ser feito em termos de tom, principalmente se nos focarmos em sua versão animada. A caracterização infantil está lá, mas com mais camadas de discurso do que normalmente se espera. Suas particularidades quanto a jogabilidade também seriam peça chaves na caracterização desse jogo. Em Mega Man 9 e 10, Proto Man tem habilidades que o tornam tanto mais poderoso quanto mais vulnerável que Mega Man. Enquanto Mega Man atira três projéteis por vez, recua pouco ao ser atingido e sofre pouco dano, Proto Man dispara apenas dois projéteis, mas possui a habilidade de carregar os tiros para ataques mais fortes. Ele pode usar o "slide" e refletir pequenos tiros com seu escudo, mas sofre mais dano e recua mais a cada golpe sofrido. Isso é interessante, pois o jogo te da as ferramentas para causar mais dano jogando com Proto Man, mas te obriga a se esforçar mais para que tal força extra seja realmente efetiva. E tal abordagem  se encaixa perfeitamente com a natureza do personagem. Além de gerar mais tensão, tal jogabilidade faz com que o jogador tenha que ser mais cauteloso e estratégico para poder sobreviver. O reator de Proto Man é instável, e justamente por isso ele é o mais frágil do trio de protagonistas da série clássica. Por outro lado, não são poucas as vezes em que ele é mostrado como mais capaz que seus "irmãos",
Proto Man em Mega Man 9
justamente por ser mais centrado e experiente que eles.  Essa proposta de jogabilidade aplicada à um level design feito pensado justamente nela faria com que o jogador realmente vivenciasse o conceito de fragilidade do personagem. Não é preciso fazer enredos exageradamente complexos ou diálogos extensos quando a própria jogabilidade ressalta as características do personagem. 


    Outra possibilidade nunca explorada pela Capcom foi a de usar Proto Man como o principal antagonista de um jogo. E antes que alguém diga algo, Mega Man 5 não conta, já que [spoiler] o vilão ali era Dark Man, e o próprio Proto Man ajudou a destruí-lo [spoiler]. Não que o personagem deva ser transformado em alguém "do mal". Só seria seria necessário colocar Mega Man e Proto Man em embate por suas condições diferentes. Pensem em Mega Man 9 e em todo aquele contexto de Robot-Masters sendo desativados. Não seria nada surpreendente que em um contexto desses, Proto Man ficasse do lado dos Robot-Masters. Porém, mesmo não sendo incoerente com o personagem, seria necessário certo cuidado para respeitar o tom da série e ainda sim gerar um conflito interessante. Mas há benefícios nessa ideia. Além de dar mais visibilidade à Proto Man, algo desse tipo ajudaria a quebrar um pouco a velha fórmula de usar sempre o Dr. Wily como vilão. Mesmo que ao final do jogo ambos resolvessem suas diferenças, um confronto mais direto poderia ser agregador.E voltando a falar em Mega Man 5, não consigo deixar de pensar que Proto Man poderia ter sido ainda mais aproveitado nesse jogo. Vejam bem, eu gosto do jogo como ele é, mas ainda é possível render mais. 


Proto Man em Mega Man 5 - Via: The Reploid Research Lavatory

     Pensem bem, qual é o foco narrativo de Mega Man 5? Como em praticamente toda a série Mega Man, temos o foco em Mega Man, que luta contra robôs que - até onde se sabe - estão a serviço de Proto Man. Posteriormente, descobrimos que [spoiler] Proto Man era inocente, e Wily estava por trás dos ataques, aproveitando-se para se vingar de Proto Man por tê-lo prejudicado no jogo anterior. [spoiler] Mas o que Proto Man fez nesse meio tempo? Fugiu? Investigou? Ambas as coisas? Como o personagem também aparece na "hora H" em que Mega Man e Dark Man se enfrentam, é possível sim que ele estivesse procurando uma solução na surdina. E seria interessante ver isso. Imaginem se Mega Man 5 tivesse um "Proto Man Mode" focando justamente nisso?  Não que esse seja um conteúdo que tenha faltado no jogo original. Só de um jogo de NES lançado no já distante 1992 estar rendendo discussões por causa de seu enredo já demonstra que a Capcom fez seu dever de casa . Mas o potencial para se expandir essas ideias existe. Isso era algo que a HQ da Archie Comics poderia ter feito. Era algo que um remake de Mega Man 5 poderia fazer. Por que ninguém está pedindo por um remake de Mega Man 5? Há um grande potencial a ser explorado.

A Archie Comics já tentou explorar o "background" de Proto
Man em suas HQs. Que tal os jogos tentarem o mesmo?
     
     Proto Man permitiria que novas facetas presentes em Mega Man pudessem ser exploradas, mas preservando a essência da série clássica intacta. Para quem é cético em relação a um "coadjuvante" assumir a alcunha de protagonista de um jogo, basta lembrar que nas mãos da Inti Creates, tal conceito gerou a excelente série Mega Man Zero. Se com o Zero funcionou, acredito que nas mãos certas poderia funcionar com Proto Man. A questão seria encontrar a pessoa certa para isso, mas esse é um assunto que merece uma análise mais extensa em outra oportunidade. Mas se quiserem um nome em específico, eu tenho um: WayForward.
Share on Google Plus
    Blogger Comment

0 Comentários:

Postar um comentário