Mega Man 8 e Mighty no. 9: Os dois opostos que se explicam



     Mega Man 8 é um dos jogos mais populares da série Mega Man, e tende a ser um dos mais populares da série clássica, mesmo - e principalmente - fora de seu fandom. E isso não se deve simplesmente a sua qualidade. Não é como se fosse um jogo imensamente superior a seus antecessores e predecessores, longe disso. Mas ele tem um trunfo que ajuda a destacá-lo dos demais: sua apresentação. Mega Man 8 é talvez o melhor jogo de toda a franquia nesse quesito, e por franquia, entenda todos os Mega Man já feitos. Seja pela abertura com a contagiante Eletrical Comunication (e mesmo a música da abertura americana não chega a ser ruim, apesar de imensamente inferior), menus coloridos e cores vivas. Tudo nesse jogo é visualmente vislumbrante e agradável. Ele te conquista aqui, e depois de já conquistado, fica fácil gostar do que vem depois. Essa é uma das diferenças mais cruciais entre Mega Man 8 e Mega Man & Bass (Rockman & Forte). Mais que a dificuldade - que sempre foi presente na série até então - Mega Man & Bass causa certo estranhamento por ter uma apresentação semelhante, mas que não chega a ser igual. Os efeitos sonoros não são tão vistosos e agradáveis quanto no 8, e mesmo que o design de certos sprites  e cenários seja igual, no 8 eles tendem a ter mais quadros de animação. Não que o jogo seja tecnicamente ruim, só que era impossível um jogo de Super Nintendo se igualar a um de Playstation

Cores vibrantes, várias animações e qualidade gráfica
mesmo para os padrões de hoje: Mega Man 8 é um
 jogo que te ganha nos primeiros segundos

     E Mighty no. 9? A falha fatal dele é justamente a apresentação pouco impressionante. Quando se tem em mãos um jogo atrasado e cheio de problemas de bastidores, você tem que lidar com um público que já está mais cético do que estaria normalmente. A primeira impressão precisa quebrar qualquer preconceito que haja com o jogo. E ela não quebra. Se em Mega Man 8 temos uma bela cena de abertura, não há nada equivalente em Mighty no. 9. Na prática, isso não muda em nada a qualidade do jogo, mas altera a percepção que temos dele. Enquanto os menus de Mega Man 8 são azuis claro ou verdes, cheios de animações e objetos coloridos, Mighty opta por tons mais escuros e designs mais conservadores. Talvez o trecho onde isso fique mais fique gritante é na tela de seleção de fases. Mega Man 8 possui uma das mais belas e cativantes de toda a série. É difícil explicar objetivamente, mas é incrível como o tema musical e a parte visual se encaixam perfeitamente e tornam tudo empolgante. Já em Mighty no. 9 não há nada de fundamentalmente errado. A música tema é ok e cumpre sua função de trilha sonora. A tela de escolha de fases opta por um layout novo, diferente do visto na série Mega Man. Mais simples, porém perfeitamente funcional. Mas que não impressiona. Junte isso com o fato de que os gráficos do jogo em si não impressionam e voilá: a má impressão está consolidada. Não é preciso de mais nada para que o jogador médio não goste do jogo.  


Se Mega Man 8 começa com uma abertura animada,
Mighty no. 9 nãotem nada equivalente que ajude a
quebrar a impressão ruim deixada pelos trailers

     E ao contrário do que possa parecer, não estou fazendo julgamento de valores aqui. Eu entendo, na verdade. Mighty No. 9 não me impressionou de primeira, mas minha insistência me fez perceber que o jogo tem mais a oferecer do que aparenta. A jogabilidade, como já comento desde antes do jogo sair (aqui e aqui) tem pontos fortes a se explorar, mas que necessitam que o jogador aceite o jogo como ele é. É a mesma coisa que acontece com Azure Striker Gunvolt, mas como esse também possui uma roupagem superior a Mighty no. 9, é mais fácil que as pessoas se permitam experimentar as nuances de sua jogabilidade. O que não quer dizer que os dois se equivalem, mas há esse paralelo inegável. Mas mesmo que - no meu julgamento - Mighty no. 9 seja inferior a Gunvolt, ele ainda tem algo a oferecer. A fase de Countershade é um exemplo. Não há fase semelhante em Gunvolt ou Mega Man. É diferente, e é divertido por isso. Outra fase digna de nota é a de Brandish. Ela é mais uma das "fases de estrada" tão comuns em Mega Man, mas seu level design é feito para explorar a mecânica de dash, que é talvez um dos acertos menos reconhecidos de Mighty no. 9. Não dá para negar que Mighty no. 9 é graficamente inferior ao que ele deveria ter sido, mas o jogo não pode ser reduzido a isso. Assim como Mega Man 8 é mais do que seu visual bonito. Nas quatro primeiras fases, em duas delas temos situações em que o gameplay foge dos padrões normais (Tengu Man e Frost Man). Nas quatro posteriores, temos duas onde a estrutura dos estágios foge do comum (Astro Man e Sword Man), e que de quebra temos a única fase aquática da série clássica em que é possível nadar (Aqua Man). Mas para perceber tais nuances, o jogador deve se deixar envolver com o jogo, e é aqui que Mighty no. 9 e Mega Man 8 se distanciam. 
Share on Google Plus
    Blogger Comment

8 Comentários:

  1. Ótimo artigo, só não concordo com o lance da abertura japonesa do MM8 ser superiror a americana, a versão jp da muita vergonha alheia.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado. E essa é a primeira vez que conheço alguém que prefere a abertura americana de Mega Ma 8 à japonesa. Bem, é sempre bom entrar em contato com novos pontos de vista :)

    ResponderExcluir
  3. De boa mas eu só não entendo o porque o Megaman e Bass foi lançado só pro snes e gba, porque no ps1 poderia ter mais potencial, fora que Protoman poderia ser jogavel.

    ResponderExcluir
  4. A intenção de Mega Man & Bass era ser um jogo mais acessível para aqueles que ainda não haviam migrado para a geração seguinte. Por isso ele ficou inicialmente no SNES. Mas ainda sim, uma versão de PS1/Saturn seria algo que eu adoraria.

    ResponderExcluir
  5. Quem sabe nessa nova coletânea que sera lançada tenha alguns mods para melhoria na jogabilidade porque se depender da capcom é só uma emulação aceitável.

    ResponderExcluir
  6. Fala de Legacy Collection 2? Bem, a coletânea já foi lançada e não havia Mega Man & Bass nela.

    ResponderExcluir
  7. Poxa eu pensei que a capcom teria essa consideração mas parece que eles não curtem spin-offs em coletâneas atuais.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns, vc realmente deve ser um dos únicos do mundo a achar isso!
    Não conseguia jogar qualquer jogo com openings e dublagem americana no Playstation. Rockman X4 e Megaman X4 são exemplos. Megaman X4 sim me dava vergonha alheia. A opening de Rockman X4 era maravilhosa!

    ResponderExcluir